NAS, SAN e DAS. Entenda a diferenA�a entre os tipos de armazenamento de rede (Parte 2)

LB2 > Storage  > NAS, SAN e DAS. Entenda a diferenA�a entre os tipos de armazenamento de rede (Parte 2)

NAS, SAN e DAS. Entenda a diferenA�a entre os tipos de armazenamento de rede (Parte 2)

Dando sequA?ncia ao detalhamento dos tipos de armazenamento, vamos falar agora de NAS e SAN.

 

 

Network Attached Storage (NAS)

A� um sistema de armazenamento dedicado ao compartilhamento de arquivos, e, por isso, tambA�m A� conhecido como servidor de arquivos.

 

A arquitetura de conexA?o funciona da seguinte forma: os servidores e o storage NAS sA?o ligados a um switch por meio de protocolos IP e conectados a uma rede local (LAN ou WAN). Por isso, o nome a�?Armazenamento conectado A� redea�?. Qualquer usuA?rio com acesso, pode conectar-se ao NAS, eliminando a necessidade de mA?ltiplos servidores de arquivo como ocorre no DAS.

 

O switch A� responsA?vel por controlar a comunicaA�A?o entre os dispositivos, garantindo o compartilhamento remoto de arquivos entre os usuA?rios.

 

Em geral, o dispositivo NAS tem seu prA?prio processador e sistema operacional (OS). Comparado ao DAS, confere maior eficiA?ncia ao compartilhamento de espaA�o jA? que sua capacidade pode ser distribuA�da entre diversos dispositivos conectados A� rede. No caso do DAS, como a ligaA�A?o A� direta, via cabo USB, por exemplo, somente o servidor ou processador tem acesso direto ao espaA�o disponA�vel.

 

O grande problema do NAS estA? na escalabilidade da infraestrutura que depende de novos investimentos em hardware. A� medida que o equipamento atinge o limite de armazenamento, novos devem ser adquiridos e conectados A� rede local criando as chamadas a�?ilhas de armazenamentoa�?.

 

Como a conexA?o A� realizada via cabo de rede, a performance nA?o deve estar entre as prioridades. a�?Isso porque o volume de dados que se consegue entregar por meio dessa conexA?o A� restritoa�?, explica Victor.

 

 

Storage Area NetworkA�(SAN)

Este modelo nA?o apenas elimina as a�?ilhas de armazenamentoa�? criadas pelo DAS, como tambA�m traz uma sA�rie de benefA�cios para organizaA�A�es que possuem aplicaA�A�es de missA?o crA�tica e cujo fluxo de transaA�A�es seja elevado (vA?rios I/Os por segundo).

 

Isso ocorre porque a conexA?o entre o servidor e o storage A� realizada por meio de canais de fibra A?tica dedicados. Um SAN pode ser acessado por diversos servidores que, por sua vez, possuem uma conexA?o rA?pida e dedicada para uma ou mais matrizes de armazenamento como library backup, dispositivos NAS, storage…

 

Pela imagem, A� possA�vel ver que os servidores podem ser ligar a vA?rios switchs SAN que, por sua vez, acessam distintos dispositivos de armazenamento. AlA�m da conexA?o ser mais rA?pida, ainda existem caminhos diferentes de acesso aos dados, garantindo redundA?ncia, performance, confiabilidade e escalabilidade.

 

a�?O dado serA? gravado em vA?rios caminhos e dispositivos distintos. Pode ser num server ou num storage jA? que essa configuraA�A?o A� baseada em blocos. Com isso, essa infraestrutura permite otimizar a utilizaA�A?o da capacidade dos dispositivosa�?, reconhece Victor.

 

 

Como escolher o tipo de armazenamento?

Como detalhado nesta matA�ria e nas anteriores, cada tipo de armazenamento e RAID possui suas especificidades. A escolha vai depender da necessidade do negA?cio e da viabilidade econA?mica de cada um.

 

Se o objetivo A� performance, o caminho a seguir A� um. Se A� necessidade de espaA�o, outro. E assim por diante. Por isso, se vocA? ainda nA?o sabe qual a melhor opA�A?o para seu negA?cio, busque orientaA�A?o profissional jA? que as possibilidades sA?o diversas.

 

 

A LB2 estA? hA? 10 anos neste mercado e pode auxiliar sua empresa na construA�A?o de uma arquitetura de armazenamento de dados que protegerA? as informaA�A�es e garantirA? a estabilidade das operaA�A�es. Entre em contato com a gente.

 

LB2
Não há Comentários

Poste um Comentário

Comentário
Name
Email
Website